terça-feira, 26 de julho de 2011

...

Eu sempre tive medo de me prender a alguém, eu sempre tive vergonha de transmitir sentimentos. Eu fingi sempre ser uma pessoa fria e que conseguia ultrapassar qualquer situação sem qualquer tipo de mágoa. Tentei sempre demonstrar a minha parte fria a meio mundo. Nunca olhei para trás. Fingi sempre que ninguém me magoava e que era impossível eu amar realmente alguém, porque afinal eu era sempre fria. Nunca disse um "amo-te" a alguém porque achava que essa pessoa nunca iria compreender e que iria gozar. Sempre fugi do que o meu coração tentava transmitir. E tudo isso para não sofrer. Tudo isso para não chegar ao ponto de chorar durante horas e horas e sentir-me a pessoa mais sozinha à face da terra.
Como se diz, "fiquei parada no tempo" durante muito tempo, vi à minha frente a mais dura fase da minha vida e não conseguia sair dali. Não conseguia ter vontade para me levantar sequer, um dia era apenas umas horas para mim, um verdadeiro tormento. Uma pessoa dava-me mil e um conselhos, dava-me na cabeça, como se costumava dizer, dizia que eu só iria aprender quando perdesse, que só dava valor àquilo que não devia dar e que apenas queria saber da net.
E agora, por muito que me custe admitir, tudo isso era verdade. Tudo o que essa pessoa me disse vezes e vezes sem conta está agora a confirmar-se.
Eu perdi tudo e agora consigo dar valor. Eu perdi e mudei de vida. Voltei a dar valor a outras coisas mas perdi aquilo que considerava o meu suporte de vida.
Por muito que eu tenha mudado, este sofrimento não passa. O que é que eu faço? Tu que me ensinas-te mil e uma coisas e que disseste o que haveria de fazer, não me ensinas-te como acabar com esta saudade e este sofrimento.
Como é que foste capaz? Como?



» Agora posso dizer, estou sem vontade para tudo. Apenas quero desaparecer. Tou completamente cansada. Tou farta de perder tudo o que gosto realmente. Dêm valor às pessoas que têm do vosso lado e se essas pessoas tentarem aconselhar-vos, pensem que isso pode ser  realmente para vosso bem.

Sem comentários:

Enviar um comentário