sábado, 5 de maio de 2012

Mesmo sabendo que nunca iria amar ninguém como aquele homem, ela tentava esquecê-lo e encontrar nos outros aquilo que via nele. Ela não o fazia por necessidade de ter um homem, mas sim porque não aguentava a falta daquele que, por algum tempo foi o seu suporte de vida.
Ela achava que poderia encontrar as qualidades daquela pessoa em outra qualquer, até ao dia em que percebeu que não existem duas pessoas iguais.  Então a partir daí, ela decidiu seguir a sua vida sem procurar nada. Nesse dia, ela entendeu que, um dia, sem se aperceber, alguém a iria conseguir conquistar apenas com o modo de falar ou de sorrir e não por ter caraterísticas em comum com aquele alguém que, um dia foi tão importante.

1 comentário: